sábado, 1 de dezembro de 2012

LITERATURA DE CORDEL

NO MÊS DE NOVEMBRO, OS MEMBROS DO CLUBE SE REUNIRAM NA SALA DE LEITURA, PARA LER, CONHECER E DISCUTIR ACERCA DA LITERATURA DE CORDEL, POR  MEIO DE ALGUNS DOS SEGUINTES LIVROS: 


 

   ... EM UMA MESA LITERÁRIA:


SALA DE LEITURA  FOI  ORGANIZADA  DE  FORMA  DIFERENCIADA,  PARA  RECEBER  OS ALUNOS  PARA  OS  ESTUDOS  DO CLUBE DE LEITURA, COM UM PAINEL TEMÁTICO (ORIGEM, CARACTERÍSTICAS, TEMÁTICAS,  PRINCIPAIS AUTORES, XILOGRAVURAS, ESTRUTURA).


POSTERIORMENTE, INICIAMOS UMA RODA DE CONVERSA, SONDANDO O TEMA DO MÊS E OS CONHECIMENTOS PRÉVIOS DOS ALUNOS DESSA TEMÁTICA. 



ENTÃO, ASSISTIMOS A UM VÍDEO 'AS MULHERES NA BÍBLIA EM CORDEL'. 

  

PASSAMOS A ESCOLHA DOS LIVROS PARA LEITURA E ANÁLISE. E TAMBÉM, DOS PERTENCES PARA REALIZAR AS TAREFAS.



SURGIRAM VÁRIAS SITUAÇÕES DE INTERCÂMBIO ORAL, SOBRE A LITERATURA DE CORDEL E SUAS CARACTERÍSTICAS E PRINCIPALMENTE SOBRE O RITMO E OS TEMAS MAIS COMUNS. ALÉM DAS LEITURAS DAS POESIAS ESCOLHIDAS.


  
REGISTRAMOS TUDO NOS DIÁRIOS DE LEITURA E COM MUITA FOTO.
REVISAMOS OS REGISTROS ANTERIORES, FAZENDO AS DEVIDAS CORREÇÕES.

CADA MEMBRO LEVOU SUA LEMBRANÇA E FEZ UM LANCHINHO NA SAÍDA. 

xxxxxxxxxxxxxxxx
Literatura de cordel também conhecida no Brasil como folheto, é um gênero literário popular escrito frequentemente na forma rimada, originado em relatos orais e depois impresso em folhetos. O nome tem origem na forma como tradicionalmente os folhetos eram expostos para venda, pendurados em cordas, cordéis ou barbantes.

Alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, também usadas nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos. Os autores, ou cordelistas, recitam esses versos de forma melodiosa e cadenciada, acompanhados de viola, como também fazem leituras ou declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os possíveis compradores.

Os temas incluem fatos do cotidiano, episódios históricos, lendas , temas religiosos, entre muitos outros. As façanhas do cangaceiro Lampião (Virgulino Ferreira da Silva, 1900-1938) e o suicídio do presidente Getúlio Vargas (1883-1954) são alguns dos assuntos de cordéis que tiveram maior tiragem no passado.

No Brasil, a literatura de cordel é produção típica do Nordeste, sobretudo nos estados de Pernambuco, da Paraíba, do Rio Grande do Norte e do Ceará.

Costumava ser vendida em mercados e feiras pelos próprios autores. Hoje também se faz presente em outros Estados, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e São PauloO cordel hoje é vendido em feiras culturais, casas de cultura, livrarias e nas apresentações dos cordelistas.

Os poetas Leandro Gomes de Barros (1865-1918) e João Martins de Athayde (1880-1959) estão entre os principais autores do passado. Destacam-se também, José Francisco Borges (Bezerros, 20 de dezembro de 1935), mais conhecido como J. Borges, é um xilogravurista e cordelista brasileiro e  Antônio Gonçalves da Silva, mais conhecido como Patativa do Assaré (Assaré, 5 de março de 1909 — Assaré, 8 de julho de 2002), foi um poetapopular, compositor, cantor e improvisador brasileiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário